• Cristiane Sales

Central de Transplantes de PE reforça importância da doação em tempos de Covid-19


Estado já computa queda nas doações e nos procedimentos realizados no último mês de março


Solidariedade. Esse é um gesto que vem sendo colocado em prática constantemente neste período da circulação do vírus da Covid-19. Diariamente, vêem-se histórias de doação das mais diversas formas para auxiliar a população. Na área da saúde, pessoas físicas e jurídicas estão doando diversos insumos para ajudar as unidades hospitalares. Os doadores de sangue também estão sendo convocados constantemente para continuar com essa prática. E a doação de órgãos e tecidos?


Assim como o sangue, os órgãos sólidos e tecidos (córnea e medula óssea) não podem ser fabricados, não estão disponíveis na prateleira de uma farmácia. Ou seja, precisam do ato de solidariedade para que o próximo possa ser beneficiado. Contudo, também sofreram o impacto do novo coronavírus. No último mês de março, as doações de órgãos e tecidos no Estado caíram 40%, comparando com o mesmo mês de 2019 (de 15 doações múltiplas para 9). Já a negativa familiar aumentou: foi de 46% em março de 2019 e subiu para 57% em março de 2020, uma ampliação na negativa de 24%, reflexo de mudança na dinâmica do acolhimento das famílias desses potenciais doadores.


“Para segurança de pacientes, familiares e profissionais de saúde, as visitas nas unidades hospitalares estão mais restritas, o que modifica a forma de abordagem das famílias dos potenciais doadores, sem o contato físico como era habitualmente. Essa mudança é necessária para diminuir o número de pessoas afetadas pela pandemia na comunidade. Contudo, precisamos continuar conscientizando o público sobre a importância da doação e contar com o apoio dos familiares dos potenciais doadores neste momento tão delicado para todos nós. Os pacientes em fila de espera continuam aguardando e necessitando desse ato de amor para ter uma melhora na qualidade de vida”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.


Comparando os meses de março de 2019 e março de 2020, Pernambuco teve uma diminuição de 6,5% nos transplantes de córnea (de 46 para 43), 50% em coração (de 4 para 2), 54% de fígado (de 13 para 6) e 83% de rim (de 42 para 7). Os transplantes de medula se mantiveram em 21 em março de ambos os anos. Já transplante duplo de rim/pâncreas não foi realizado em março de 2020 (redução de 100% - foi feito 1 em março de 2019).


“As Organizações de Procura de Órgãos e Tecidos e as Comissões Intrahospitalares de Doação continuam à disposição das famílias, mesmo de forma remota, para tirar todas as dúvidas sobre o ato de doar. Vamos continuar apoiando os familiares neste momento de dor e dando o suporte necessário para que eles possam exercer seu direito de ajudar o próximo”, reforça Noemy Gomes.


Atualmente, em Pernambuco, 1.166 pessoas aguardam um rim, 171 córnea, 129 fígado, 24 medula óssea, 19 rim/pâncreas e 14 coração, totalizando 1.523.


Importante destacar que pacientes que foram a óbito por Covid-19 ou por suspeita não podem realizar a doação


BRASIL


De acordo com o Ministério da Saúde (MS), a média de redução no número de transplantes de doador falecido a partir do dia 17 de março de 2020, até o final do último mês, foi expressiva: rim (51,7%), coração (86,7%), fígado (32,1%), pâncreas (66,7%), pâncreas rim (50%), pulmão (85,7%) e córnea (62%). Os dados foram comparados com o quantitativo de transplantes do mesmo período em 2019.


De acordo com recomendação do MS, apenas os transplantes de córnea, considerados eletivos, estão suspensos neste momento de pandemia.


#CentraldeTransplantesdePernambuco #DoaçãodeÓrgãos #ministériodasaúde #coronavírus #Covid19

Artigo02.png
WhatsApp Image 2020-10-07 at 11.28.55.jp
Banner01.png
Arquivo

Copyright © 2018 Saúde e Bem Estar